quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Nova Assembleia dia 20


Sexta-feira, dia 20 de Novembro, pelas 21horas vai decorrer no auditório uma nova reunião de assembleia de freguesia.
A presença de todos é importante para a Comporta e para o seu desenvolvimento.
É com agrado e orgulho que o Comporta Opina assiste a uma maior participação dos Comportenses e a um maior envolvimento nos assuntos importantes para todos nós.
Vamos continuar a participar e a lutar pela nossa terra e pelos nossos interesses.
A voz do povo é cada vez mais importante!
Pela Comporta, pelo nosso bem estar, VAMOS TODOS LUTAR!
Todos juntos chegaremos cada vez mais longe!


8 comentários:

Anónimo disse...

As carroças do passado
com um jumento diligente
ainda vão a muito lado !
Já com um asno mandrião,
as carretas do presente
jamais saem de onde estão.

E não falta diligência
aos que ao serviço do Povo
aprenderam a trabalhar !
Mas falta-lhes a paciência
pr'a ver tanto burro novo
que não faz senão zurrar.

Toino Pardal disse...

Aos donos das carroças:

Sei que pareço um ladrão...
mas há muitos que eu conheço
que, sem parecer o que são,
são aquilo que eu pareço.

Por isso é sempre preciso,
pra nos livrarmos de prigos,
adular, ter um sorriso,
para os nossos inimigos...

Enquanto o homem pensar
que vale mais que outro homem,
são como os cães a ladrar,
não deixam comer, nem comem.

Um burro, ou será intelectual??? disse...

Ui, tanta inteligência junta até me deixa atordoado.

Autodominam-se como jumentos, para poderem chamar burros aos outros!

Uma pequena consideração: o cartaz das carroças era do PS, devem ter-se equivocado ao enviar a resposta para aqui.

O pior disto tudo, é que as carroças do passado, com os jumentos que lé têm nunca consiguirão ser diligentes. Mas será que percebem o que isso significa?

Os burros novos, que outrora tinham designado or intelectuais - vejam lá se se decidem - já mexeram mais em meia dúzia de meses, do que vocês em muitos anos.

Não fazem senão zurrar? Fiem-se na virgem, pensem que as pessoas não se mexem, não corram, e depois é que vêm como é que os burros novos mordem.

Quando se subestima a competência dos outros, pode-se ter grandes surpresas.

Anónimo disse...

Desde que este blog existe já li de tudo, já se chamaram de tudo, já se insinuaram de tudo, nossa junta já serviu de mote as mais diversas insinuações muito graças a quem até agora a tem liderado. voçes todos os que aqui andam diáriamente ou quase sempre, a dizerem mal de tudo e de todos. E criticas construtivas, e propostas para de facto se fazer algo de concreto,(limpezas de ruas, de parques infântis,os caixotes do lixo que são uma vergonha,o pessoal que quer tirar o 9º e o 12º ano e cursos de inglês , tem que o fazer tudo ao molho na junta ou até mesmo no infantário, porque uma directora de escola primária não lhe apeteçe ceder a escola, um montão de gente que vem para cá (tipo casas da comporta, não tenho nada contra só são mais uns quantos a cagar para o rio)etar que é bom tá dificil, e muito mais mas mesmo muito mais eu argumenteria, resumindo voçes fazem me lembrar aqui à uns anos quando eu andava no GATEC, em que primeiro nos apelidaram de tudo e mais alguma coisa, depois de verem que de facto tinha-mos um espectaculo, e que tocavamos nas pessoas e até na televisão tocamos, meus amigos ai eramos os maiores... TEMOS QUE FAZER ALGO DE CONSTRUTIVO, MAS SEM OLHAR A COR OU CREDOS, ATÉ PORQUE A NOSSA PREOCUPAÇÃO É UMA SÓ ...COMPORTA...

PM disse...

Eu diria mesmo mais a nossa preocupação é uma só, é podermos passar por cá sem termos que nos preocupar com todos aqueles que condenamos à morte.

“Já não merecemos viver”

Teve lugar em Roma esta semana uma cimeira sobre segurança alimentar onde várias dezenas de dirigentes mundiais se fizeram representar para decidir sobre a erradicação da fome no mundo e dizem eles contam fazê-lo tão rápido quanto lhes seja possível.

Ou seja esses mesmos governantes recusaram fixar 2025 como data limite para a total erradicação da fome no mundo, quando cerca de 6% do orçamento bélico desses mesmos países seria suficiente para cumprir aquele desígnio num prazo bastante mais curto.

Isto representa o total desprezo pelo mais básico direito do ser humano, o direito à vida, por um grupo onde estão representados os mais poderosos do planeta e as organizações que supostamente têm por missão defender as populações mais carenciadas.

Esta situação é agravada pelo facto de os mesmos não terem tomado uma posição quanto à fixação do preço dos cereais, bem alimentar mais comum para acorrer a estas populações, deixando a sua fixação nas mãos da especulação, que pela ganância do homem chega assim aos bens alimentares.

Tomou-se claramente uma opção pela condenação à morte de milhares de seres humanos, quando se poderia ter optado por condená-los à vida, não será este um gigantesco genocídio do qual ninguém fala ? Mas enquanto branqueado desta forma, ainda serve para retirar dividendos políticos ?

Não me convencem, pois se a nossa opção é esta quando sabemos que a cada seis minutos morre de fome uma criança no mundo, se a nossa opção é deixar morrer e de uma forma deliberada alargando o prazo para solucionar o problema até nunca mais, então já não merecemos viver, pelo menos já não merecemos viver de consciência tranquila.

Nota : confesso que me teria sido mais fácil ignorar este assunto do que escrever sobre ele, talvez dessa forma pudesse estar de consciência mais tranquila, mas ele é por demais ignóbil para puder ser ignorado, talvez uma estrofes do Sérgio para amenizar a coisa “Ah que estou arrependido, de ter feito e de ter tido, ai coração, ora seja, como a que ouvi na igreja, mea culpa, mea culpa, minha máxima desculpa, é ter vindo p´ro presente, conservado em aguardente”.

Comporta disse...

O Comporta Opina surgiu para apontar o que está mal, e desde logo foi criticado por isso.
O vídeo que nos foi enviado e que orgulhosamente publicámos, o já apelidado “vídeo da polémica”, tem como objectivo apontar o que está mal. Lá aparece o lixo e a falta da ETAR, entre outras coisas. Porém nem sempre sabemos tudo o que se passa, e contamos com vocês para denunciar aquilo que sabem e que está mal ou a faltar.
Independentemente da cor partidária de cada um, o Comporta Opina dá a voz a toda a gente. A uns, para que as pessoas possam perceber o carácter que realmente as pessoas têm, a outros para que se possam defender. Não apoiamos os que vêm para aqui “dizer mal”, e esses são os comentários que não publicamos. Relembramos que os comentários feitos não são da nossa responsabilidade.
Os posts deste blog assentam em questões concretas relacionadas com a Comporta, ou a cultura. Não é aqui apontada a vida pessoal de ninguém, nem são feitas críticas pessoais. São abordados assuntos e pessoas sempre com o objectivo específico de informar a população e criticar construtivamente, apontando um ponto de vista e alternativas.
Que fique claro, embora este blog tenha uma conotação politica, que faz parte do ponto de vista que defendemos e da forma como temos lutado pela Comporta, SOMOS PELA COMPORTA, e estamos cá para lutar por ela!

Anónimo disse...

Não Posso Adiar o Amor

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o rneu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"

PM disse...

Eh malta da Comporta, vejam lá se evoluem.

“Evolução das espécies”

Sabe-se que a princípio, não existiam seres vivos possuidores de coluna vertebral. Antes do surgimento dos primeiros vertebrados milhões de anos se passaram na história da evolução. Os primeiros a aparecer tinham a forma de peixe, e somente milhões de anos após é que os primeiros anfíbios passaram a existir, e depois vieram os répteis, pássaros e mamíferos.

Após milhões de anos, a aparência de animais e plantas ficou bem diferente do que era. Aqueles que se desenvolveram melhor, foram os que tiveram a chance de se adaptar as inúmeras mudanças que ocorreram no nosso planeta. Esta teoria desenvolvida por Charles Darwin é hoje aceite no seio da comunidade científica internacional e contem inúmeros outros conceitos ainda com potencial de estudo e desenvolvimento.

E seguindo esta linha de raciocínio e trabalho complementar dessa mesma comunidade científica, sobre a discussão e até de adaptação a mutações mais recentes das sociedades que continuam a ocorrer após o desaparecimento do seu autor, e embora Darwin não o tenha na altura explicado, talvez por falta de tempo ou de dados mais concretos, sabe-se hoje que existem inúmeros casos particulares possíveis de explicar à luz da sua teoria no sentido lato.

Um deles veio esclarecer uma dúvida que sempre me assaltou e que era o facto que existirem alguns de nós que são de famílias reais, vulgarmente designados por possuidores de sangue azul, e hoje à luz do desenvolvimento desta teoria, sabe-se que aquela categoria de seres humanos evoluiu a partir da tainha realis, tendo ao longo do tempo conseguido conservar a sua característica de realeza que os distingue até aos nossos dias.

Um outro caso já hoje sobejamente documentado e comprovado tem origem na descendência da tainha flexibilis adaptabilis coruptibilis e que deu origem a uma classe de seres nossos semelhantes com grandes capacidades para ocupar altos cargos na chefia do estado ou em grandes empresas públicas e por vezes também em pequenas empresas satélite, sendo que quando não estão no poder povoam em grande número os círculos das assembleias eleitas pelos seres comuns, que se sabe hoje terem evoluído da tainha votantis memoris curtis, que como o próprio nome indica era provida de uma memória limitada e muito volátil.

Quanto à tainha clepotomanis existem dados que apontam terá dado origem as seres que hoje são presidentes de países possuidores de grandes riquezas naturais, donos de imensas fortunas e com povos imensamente pobres que terão evoluído da tainha sofribilis ignorabilis, que como o próprio nome indica nasceram para sofrer e ser ignorados por todos.

Mas como nem tudo são más notícias sabe-se agora que a tainha honradis honorabilis e que se julgava extinta há milhares de anos, terá evoluído e terão chegado aos nossos dias alguns seres que tentam preservar os valores básicos da vida em sociedade, mas que por não serem talvez ainda em número suficiente têm tido uma tarefa bastante complicada, mas que no entanto nos deixa a nós todos, seres que evoluímos da tainha inertis obesvatoris, ainda alguma esperança de evolução.