segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Programa do BE para a Freguesia da Comporta


15 comentários:

Comporta disse...

Meus amigos espero que façam um bom trabalho na junta

Anónimo disse...

“À minha maneira”

Por sua vez, a CDU é já o último partido entre os cinco. Cabe perguntar: se os portugueses rejeitam cada vez mais - aliás como todo o mundo - os comunistas, porque os Alcacerenses ainda se mantêm agarrados a políticas e ideologias mortas ?

Por sua vez, o PS em Alcácer foi aquilo que se viu nos últimos quatro anos. Cabe perguntar: se os Alcacerenses rejeitam cada vez mais - aliás como qualquer pessoa de bom senso - o imobilismo e falta de ideias, porquê manter-se agarrados a políticas locais moribundas ?

Por sua vez, o BE é já o partido entre os cinco com maior crescimento. Cabe perguntar: se os Alcacerenses não estão dispostos a escolher quem de facto tem ideias e já o demonstrou, para que o Concelho possa tomar outro rumo, agarrando-se a políticas emergentes de grande valor como ficou demonstrado nos resultados da votação de hoje ?

Anónimo disse...

“Mais à direita”

Parafraseando o Tio Alberto “O país está louco” e é um facto pois se antes tínhamos a governação à direita, sendo que essa direita era como se viu, a direita da governação com as políticas da maioria absoluta obtida nesta última legislatura.

Agora com os resultados da votação de ontem temos forçosamente uma governação que resultará mais à direita, pois só serão viabilizadas decisões a nível parlamentar, em conjunto com o votos de um dos partidos mais à direita.

Resta uma possibilidade muito remota de aprovar medidas com os votos simultâneos dos dois partidos mais à esquerda esquerda, mas digo remota porque se o Sr. Engenheiro sempre pendeu, ainda que sozinho para a sua direita, agora com este cenário ainda o fará mais.

Houve no entanto um facto muito positivo a registar que foi a grande subida da votação registada na esquerda de confiança, ainda assim insuficiente, pois embora o número de deputados eleitos tenha duplicado, não é suficiente para obrigar o Sr. Engenheiro a mudar de rumo.

Só nos resta pois prosseguir este caminho, que é o caminho que o povo português tem vindo a seguir até hoje e que é o de reforçar continuamente as votações nesta esquerda de confiança, para a breve prazo se conseguir inverter esta tendência direitista.

É pois necessário que já no próximo acto eleitoral de dia 11 de Outubro, o povo português saiba manter e até reforçar esta tendência, para assim dar um sinal inequívoco aos governantes da nação que apesar do resultado de ontem, aquilo que espera é uma governação que proteja a classe média e os mais desfavorecidos nos tempos que correm.

Anónimo disse...

“Xutos e apuramento”

Foi no sábado à noite, à chegada ainda no exterior uma moldura humana impressionante e o vulto de um palco de dimensões nunca antes vistas por estas bandas para a actuação de um grupo português.

Foi no Domingo à noite, à chegada os estúdios dos mesmos canais de TV, com algumas inovações, mas logo à partida com um cheiro a algo já visto para o desfile dos pivots e comentadores do costume.

Já mais perto mas ainda cá fora diziam os seguranças “tenham calma que eles não começam enquanto não estiverem todos lá dentro” e eu apesar de tudo até tive sorte pois descobri uma entrada ainda pouco concorrida no momento exacto.

Já perto da hora do fecho das urnas era aquele suspense do costume, em que o pivot tenta aliciar-nos para o prometido momento “e será dentro de dois minutos que ficaremos a conhecer”, como se de uma revelação fantástica se tratasse.

Já lá dentro aí sim a percepção da verdadeira dimensão daquilo que estava prestes a começar, duas régies enormes a meio do relvado, cada uma com uma torre de incrível altura e apenas dois metros quadrados de base, nas quais estavam homens, holofotes e câmaras dispostos por cinco pisos de altura e um palco enorme com dois écrans e tudo o mais que nos iria ser revelado em breve.

Já na hora prometida a grande revelação do nosso futuro para os próximos quatro anos sempre com pequenas margens de erro, e uma corrida contra o tempo pelas sedes de campanha para podermos acompanhar as reacções a metro de cada um dos porta vozes de serviço.

O início deveras surpreendente pois da banda apenas o filme real da sua chegada nos écrans e eis que finalmente aparecem na bancada norte, atravessando o relvado a pé por entre multidão, multidão mesmo, até ao palco situado no topo sul, para dar início a um incrível espectáculo de som, luz e côr, por vezes frenético por vezes calmo, com o público sempre ligado no máximo da rotação e a entoar em côro gigantesco quase todas as músicas.

O início com algumas surpresas daquelas que sempre existem nestes apuramentos, com os comentadores a tecer os seus sábios comentários de circunstância, mas assim como na campanha quase nada de útil se discute, aqui também quase nada de útil se conclui, mas enfim é o espectáculo prometido a que já nos fomos habituando.

O final apoteótico com fogo preso, dois encores e com os protagonistas, público e banda, ao final de três horas de espectáculo como que a querer perpetuar aquele momento para toda a eternidade tal não foi a intensidade de parte a parte, do que ali se viveu.

O final já nós sabemos, são os discursos de vitória de todas as forças concorrentes, com os habituais votos, uns de nos proporcionar o melhor dos futuros e os outros de obrigar a que o melhor dos futuros nos seja proporcionado, logo só daqui pode resultar o melhor dos futuros.

Por tudo aquilo a que tive oportunidade de assistir só me resta agradecer “Obrigado Xutos” e até daqui a mais trinta anos de sucessos.

Anónimo disse...

A CDU anda num desespero. O medo de perder o PODER, a falta de desenvoltura democrática por parte de muitos militantes, sente-se na atmosfera. A freguesia é de todos! Não é pertença dos que desde há muito andam de posição em posição, tanto na CDU como também no PS.
Se um BLOQUISTA incomoda muita gente, todos juntos incomodamos muito mais!..

Anónimo disse...

Como vos usais anónimo eu não me permitirei destoar...
Tenho uma questão que se me pôs ao ler vossos comentarios:
-Quantos de voz seus incultos Marretas auto-proclamados candidatos da jovialidade para a Comporta já leram os Estatutos do partido pelo qual se candidatam e ao qual juram fidelidade na defesa de seus ideais...???
Por agora vou...mas volto...!!!

Anónimo disse...

Os Sovieticos entraram na chicana politica.
A jovialidade é o que nos diferencia, pelo menos não andamos agarrados aos ideais moribundos do passado!
DEMOCRACIA- Leiam bem "camaradas"...

Anónimo disse...

“Alcácer”

Este pequeno relato desenrola-se em dois bairros da, na altura vila de Alcácer, de há cerca de 40 anos, um deles situado na baixa da vila e o outro situado na alta da vila, sem que um grupo do outro tivesse conhecimento ou contactos àquela época.

No bairro da baixa da vila, de seu nome Bairro do Crespo, havia um numeroso grupo de crianças todos muito jovens, de idades compreendidas entre os 5 e os 11 anos, que tinham por espaço de brincadeira a rua e os quintais e garagens de alguns pais.

No bairro da alta da vila, de seu nome Bairro dos Açougues, havia um numeroso grupo de crianças todos muito jovens, de idades compreendidas entre os 5 e os 11 anos, que tinha por espaço de brincadeira a rua e o pátio e dependências do antigo convento dos frades.

No grupo da baixa da vila havia uma criança que se destacava na altura, pois punha todos num virote, já lhe corria nas veias uma vocação e vontade muito grandes de algo que viria mais tarde a ser um dos seus grandes projectos.

No grupo da alta da vila havia uma criança que se destacava na altura, pois punha todos num virote, já lhe corria nas veias uma vocação e vontade muito grandes de algo que viria mais tarde a ser um dos seus grandes projectos.

Naquele Bairro do Crespo a Leonor punha todos a cantar, a ensaiar, a fazer cenários e coreografias e a representar para o grupo dos pais de todas aquelas crianças, as peças que nasciam fruto da imaginação de todos, houve até um ano em participamos nas marchas infantis à época.

Naquele Bairro dos Açougues a Ana punha todos a cantar, a ensaiar, a fazer cenários e coreografias e a representar para o grupo dos pais de todas aquelas crianças, as peças que nasciam fruto da imaginação de todos, houve até um ano em participaram nas marchas infantis à época.

Mais tarde, esta vontade férrea daquela que todos conhecemos por Leonor Alcácer, levou a que os projectos que abraçara já em menina se tornassem numa realidade do futuro que então sonhara.

Mais tarde, esta vontade férrea daquela que todos conhecemos por Ana, levará a que os projectos que abraçara se venham a tornar numa realidade do futuro que sonhou para a nossa Alcácer.

Anónimo disse...

o burro que votar em vocês ainda é mais burro do que vocês.chegaram agora e nem pingo de humildade têm,meu deus,que arrogância.aprendam primeiro a ter um discurso positivo para bem de toda a população,se lhe quiserem alguma coisa de bem...!ou se forem eleitos servem só os interesses de quem votou em vocês???deixem de ser línguas de trapo,de dizer mal de tudo e de todos,como se todas as pessoas e todas as coisas estivessem mal.dizer mal é muito fácil nesta terra,o pior é fazer(aí é que a porca torce o rabo)não brinquem connosco...

Simpatizante do BE disse...

O bloco chegou agora, e nunca tinha ouvido falar tão mal de um partido e das pessoas que o defendem...
A meu ver, fazer críticas ao que está mal, não é ser má lingua. É ser interessado, é ser realista e não ficar acomodado...
Se dizem mal assim de tanta coisa... É porque a Comporta está mesmo mal!!!

Mas se estão a criticar tanto, se acham tão mal falar mal, não acham que ao chamarem burras às pessoas estão a descer muito muito baixinho?

J.Paixão disse...

É pena não se saber que força politica é a que faz tal afirmação.
Todos são "burros". Como é que certas pessoas têm a coragem de apelar ao voto e depois chamam burros a quem votou ou vai votar nelas.
Amigos(as) a estupidez e a ignorância são consequência do desespero e da falta de cultura.
Sugiro que leiam meia duzia de bons livros.
O que adianta pensar-se ser o que não se é.
DEMOCRACIA camaradas!
Quem chegou agora têm tanto direito como os estão,ou que se querem agarrar à cadeira do "Poder".
Na Ex.União Soviética, Cuba, Coreia do Norte, China são exemplos de países em que vocês concorriam sozinhos e de certeza ganhariam as eleições...
Se tivessem preocupados com a população, tinham tido tempo para agir durante os mandatos passados em estiveram no executivo ou mesmo na oposição. Mas o Povo vai saber fazer a sua própria análise.

J.Paixão

Anónimo disse...

Conta quem viu que, neste Domingo, quando foi votar à junta de Santiago o Presidente Paredes se dirigiu aos membros da mesa, desejou-lhes um bom trabalho e prometeu-lhes um lanche para “mais logo”.
Acto contínuo a sua esposa terá dito ao mesmos membros da mesa: “não liguem ele é muito mentiroso!”
Mais palavras para quê?!

herlander disse...

Será que também a esposa do Sr Paredes votou BE? Ou a raposa não consegue guardar o galinheiro?

Anónimo disse...

Ei malta deixem-se lá de discutir a vida dos outros e tratem lá é d'“O meu futuro”

O grande sonho da minha vida é ganhar as eleições autárquicas no meu Concelho porque eu tenho cá umas ideias que acho que iam acordar a malta, começar o futuro, ajudar a construir o futuro, proporcionar o futuro, recauchutar o futuro, remendar o futuro, e por último mas não menos importante garantir o meu futuro.

Bom mas e perguntam vocês como é que isso se faz ?, - “Como é que isso se faz ?”,

Eu trataria de constituir uma equipa para tratar de assuntos imediatos, os chamados assuntos de primeiríssima necessidade, ou de proximidade com as populações, do tipo brigada de intervenção para resolver aqueles problemas que quase diariamente saltam à vista de todos e que carecem de resolução quase imediata, ou no curto prazo.

Depois haveria de ter uma outra equipa para tratar de assuntos que carecem de planeamento a médio prazo e de uma dotação orçamental de média dimensão para poderem ser concretizados.

E haveria também de ter também a equipa dos sonhadores ou de planeamento estratégico que estes sim haveriam de sonhar o futuro e delinear políticas com vista à implementação de obras de carácter estruturante e que nos haveria de permitir dar um chuto no presente e no passado. Salvaguardando o devido respeito por todos os presentes e passados que por aqui já passaram.

Estas três equipas haviam de ter carácter transversal à tradicional divisão por pelouros que aqui seria um pouco relegada para segundo plano em função da eficácia, seriam equipas dinâmicas na forma e de constituição um pouco adaptada às necessidades de cada momento e a política orçamental haveria de estar baseada num orçamento participativo e revisto periodicamente, por forma a tornar mais transparente para todos quais as principais prioridades de actuação em face das reais necessidades das populações e do desenvolvimento do Concelho.

Ah! Mas agora me lembrei que me esqueci de concorrer, bolas que lá se foi o meu futuro.

Morador disse...

RE: Caro senhor/a, a língua de trapo aqui é você. Para mim a burrice é ignorância e esta parece ser bastante sua amiga.